Tags

, , , , ,


Laços são sempre laços, ainda que sejam tensos, ainda que sejam tênues. Melhor seria se pensar fosse circunstância ocasional, vento que passa sem deixar frio. Pensando, caiu no esquecimento das horas, sentado à mesa do computador. Lembrou-se das cartas trocadas em outros tempos, quando passavam os dias distantemente juntos, inseparavelmente distantes, como se fosse possível colocar dois pontos em duas extremidades de um papel e dobrá-lo, unindo-os sem a necessidade de riscar uma linha reta.

Vivendo em lugares afastados, o que foi para um não foi para o outro – e vice-versa. Há tempos se correspondiam e, por isso mesmo, imaginavam como teria sido se a distância fosse menor. Quando ouviram a voz do outro pela primeira vez, baixou-lhes uma sensação de felicidade momentânea, coisa que passa, mas que também fica, onda que se ergue no mar e inspira canções, ideia de viver uma imersão no agora. Querem mesmo acreditar que os sentimentos construídos ao longe sejam reais um pelo outro: que exista consideração, demonstrações de carinho, insistência da amizade.

E aquele jeito poético que utilizavam para escrever encantava e transformava a dureza em delicadeza. Pela distância, a amizade continua sendo o viés mais possível de viver esse encantamento. Mesmo com todas as imperfeições e inconstâncias tão comuns nesses tempos, poderiam facilmente se apaixonar. Se não dividiam o dia-a-dia, ainda assim se influenciavam mutuamente, como um simbionte psicológico, formando opiniões, desfazendo hábitos, revelando-se mais ou menos obtuso/complicado/humano.

Quando se encontraram, o sonho se fez presente para nunca mais. Ainda trocam cartas, mas não como dantes. Já não são mais os jovens que eram; dois seres que viam no impulso a grande diversão das coisas. E talvez nada disso tivesse que ter acontecido se um não respondesse a carta do outro. Seja como for, palavras escritas com ou sem entrelinhas, um detalhe ainda permanece vivo: a amizade. Porque são amizades que também fazem valer os dias desse mundo louco em que vivemos.

> Crônica publicada no Jornal Notícias do Dia em 27/08/2009.

Anúncios