Tags

, , , , ,


Foi sem querer quando os dois ficaram juntos na primeira loucura. Ele voava de asa-delta e ela esquiava nas águas quentes da Lagoa da Conceição, em Florianópolis. Henrique, já com seus vinte e tantos anos, encantou-se pela garota que lhe acenara com as duas mãos antes de cair na água. Ele estava prestes a pousar, mas a visão de Anita molhada quase provocou um encontro não programado entre Henrique e uma árvore que pretendia imitar aquelas palmeiras de Beverly Hills. Ainda assim, alcançou o solo em segurança e foi ter com a encharcada Anita que, não por acaso, parecia uma estrela de Hollywood da qual ele não lembrava o nome.

– Mas que loucura!, foi o que ela disse logo que se encontraram. Aquele jeito dela falar lhe pareceu um tanto quanto encantador demais para uma amante de esportes radicais.

E assim, num dia quente de dezembro, começaram a se amar. Quando conversaram para se conhecer, Anita lhe contou o quanto sofrera em sua última relação e tudo por causa de sua sogra que não apreciara seus dons culinários. Já Henrique revelou que tivera um filho pouco antes de prestar o vestibular e logo depois acabou se divorciando da mãe. E fora durante o divórcio que ele iniciou suas aventuras nas alturas. Na primeira vez, andou de balão, mas achou muito vagaroso. Então, partiu para a asa-delta. “Quando nos conhecemos, eu estava fazendo o meu primeiro voo solo”, disse orgulhoso.

No primeiro aniversário de namoro, ela saltou de bungee jumping – “porque o nosso amor foi rápido como um pulo”, Anita gritou durante a queda, enquanto ele assistia angustiado.

Naquele tempo, eu (que narro esta história) ainda era amigo deles, mas não pude deixar de perceber que o exagero só fazia crescer.

Quando ela passou num concurso público, Henrique escalou uma montanha congelada. Assim que ele conseguiu comprar um carro zero, Anita desceu de rapel uma cachoeira no meio da selva. E quando souberam que iriam ser pais? O que você acha que eles inventaram? Vá, use sua mente e pense numa ousadia qualquer. Acaso imaginou um salto de paraquedas? Sim? Pois acertou um cheio. As alegrias da vida eram motivos de sobra para ambos explorarem ainda mais os seus limites pessoais.

Atualmente, já não tenho mais contato com ambos. Soube que o filho deles está em Hollywood, aquele lugar das palmeiras, e trabalha como dublê em filmes de ação. Dizem que as cenas nas quais ele atua dão medo só de assistir, mas foi assim que ele encontrou a sua atual namorada. E ainda tem gente que não acredita naquela famosa frase que diz que amar é correr riscos.

> Crônica publicada no jornal Notícias do Dia em 22/12/2011.

Anúncios