Tags

, , , ,


Sem sombras de dúvidas, o Vampiro Modelo é antenado com tudo o que rola por aí, destes malandros que não perdem a conversa por desconhecer o assunto. Mais do que bem informado, ele é uma entidade social que conhece o mundo de perto, porque pode caminhar à luz do dia, ao contrário do que crêem os supersticiosos. Suas afeições às tendências tecnológicas também cumprem a almejada inserção social da qual sonham os tímidos, os pobres e aqueles que sofrem de bullying.

Mas o caso é que o Vampiro Modelo possui uma metodologia muito adequada para alguém de seu porte. Longe de ser um esnobe, sua elegância é ponderada, já que apenas os patetas usam terno e continuam sendo patetas. Não tinha predileção por quaisquer biotipos quando precisava morder um pescoço. Porém, só mirava a jugular de alguém que tivesse ingerido caviar há poucos momentos. Tinha seus princípios, vai entender. O mesmo vale para o local de seus pernoites. Não escolhia os quartos de hotel pelas estrelas, mas sim pela higiene do banheiro – e, claro, pelo fato de ter tevê por assinatura. Como possuía sangue frio, gostava de passar a noite numa banheira aquecida, preferencialmente assistindo aos seriados de humor estadunidenses. Sorria ao final de cada episódio, pois percebia que sua imortalidade era tão sem sentido quanto uma piada de Friends ou Two and a half men, seus dois programas preferidos.

Tão estranho quanto possa parecer, o Vampiro Modelo passa incógnito onde quer que vá. Às vezes, sai de casaca ou sobretudo e uma cartola, mas nem isso causa desconfiança nos que lhes cercam. Afinal, a alta roda aprendeu a admitir pequenas excentricidades e o baixo clero está cada vez mais tolerante com os deslizes contemporâneos. Quando é convidado para uma festa, certifica-se antes se o evento contará com algum intelectual renomado (pois precisa de alguém para conversar) e se haverá caviar, é claro. Como ele é imortal, a antológica frase de Benjamin Franklin de que “na vida, só existem duas coisas certas: os impostos e a morte” não lhe faz sentido algum. Assim, aprendeu a conservar suas finanças sempre investindo seus ganhos em rendimentos com juros elevados.

Mesmo assim, o Vampiro Modelo tem uma ambição pessoal jamais concretizada: construir uma família. Por ser Modelo, convém dar o exemplo. Portanto, não é capaz de transformar ninguém em vampiro. E se arrumasse uma esposa, como explicaria que ela envelheceria e ele jamais ficaria careca por mais que ela reclamasse da vida? Só lhe resta, então, seguir a moda e sair para paquerar à noite, pois é quando o sol se põe que ele se sente mais à vontade.

> Crônica publicada no Jornal Notícias do Dia em 12/07/2012.

Anúncios