Tags

, , , , ,


O amor também é feito de enganos: conclusão lógica com o passar dos anos. Viviane discou o número errado. Eurico atendeu do outro lado.

– Este é número da loja Salgado & Cia?

– Não. Mas e você, quem seria?

Foi assim que começou a conversa. Ao acaso, sem nenhuma pressa. Eurico, que gostava de doce, convidou Viviane para sair. Ela disse “ok, mas só se você me deixar a conta dividir”.

Encontraram-se. Entenderam-se. A chuva, que já durava mais de uma semana, passou enfim. Fora mera coincidência ou o arremate de um drama que terminou com um sim.

Ele sugeriu um beijo demorado… típica sugestão de recém-namorado. O primeiro contato lábio-a-lábio: a decisão mais difícil para o casal sábio. E tudo rolou tranquilamente, apesar de um rubor facial como quando alguém mente. Mas ali só havia espaço para a verdade. O amor jovem é ausente de vaidade.

Viviane contava com apenas 23 anos de vida. E já se dizia uma pessoa bem resolvida. Já Eurico acabara de completar os trinta. E só fazia colorir os dias com tinta. Sim, ele era um pintor de paredes muito bem recomendado; enquanto ela trabalhava com festas e eventos para um conglomerado. Apesar de profissões tão díspares, no amor sempre respiraram bons ares.

Dois anos mais tarde, nasceu o primeiro rebento. Num dia abençoado, batizaram-no de Bento. Dez meses se passaram: nasceu a primeira menina. Homenagearam a avó materna, chamando-a de Nina. E o terceiro filho veio em meados de maio. E foi Bento que sugeriu o nome “Caio”.

Com o trio composto, queriam ir para uma casa maior. Mas a crise bateu, e o salário ficou pior. A solução encontrada foi se mudar para o lar da Vó Nina. E abandonar o sonho de contar com uma companhia canina. Sim, as crianças queriam por demais um cachorro. Mas este seria apenas mais um a pedir socorro. A vida em família é sempre um cálculo de múltipla escolha. E quando a parte financeira infla, não se pode deixar explodir a bolha.

Foram tempos difíceis, mas que ficaram no passado. Hoje, todo mundo já está bem acomodado. Bento não mora mais em casa, pois foi fazer faculdade. E Nina está noiva de um rapaz aqui mesmo da cidade. Caio, por sua vez, ainda está no colegial. E a Vó Nina lhe tem um apreço especial. Coisas de vó, vocês sabem. Alguns sentimentos não nos cabem.

Viviane ganhou seu primeiro cabelo branco, mas tratou logo de pintar. Eurico fez uma cirurgia para corrigir a visão, mas ainda continua a pintar. Ela está organizando a festa de seus 25 anos de casamento. Ele foi à rodoviária buscar o Bento. Até hoje, ela ainda não descobriu o telefone da Salgado & Cia, mas agradece ao engano que lhe deu uma doce família.

> Crônica publicada no Jornal Notícias do Dia em 03/12/2015.

Anúncios